Cultura da Paz

Somos impactados por aquilo que vemos, ouvimos e vivemos, sejam situações alegres ou negativas. Não estamos imunes ao mundo que nos cerca e isso significa a possibilidade que temos de nos indignar, entristecer, agir, transformar.

Sabemos que não temos controle sobre muitos dos acontecimentos da vida, mas é possível buscar algum controle sobre aquilo que absorvemos e assimilamos. A ideia de Viktor Frankl, de que nosso poder de escolha, mesmo que limitado, é o que nos direciona rumo à pessoa que queremos ser, pode nos auxiliar a lidar com os acontecimentos atuais. Segundo ele, se não podemos mudar a realidade ou o contexto ao nosso redor, ainda assim, em última medida, podemos mudar nossa forma de lidar com aquilo que nos impacta.

Há situações extremas de sofrimento, como por exemplo, campos de concentração, situações de guerra, mortes violentas por motivos torpes, por intolerância, pelo ímpeto de aniquilar a vida alheia, como infelizmente poderíamos exemplificar com notícias que vemos relatadas.

O sentido que se dá após esses acontecimentos, a narrativa construída sobre como isso afeta cada um, individualmente, e também como afeta coletivamente os envolvidos e aqueles que testemunham uma catástrofe ou mesmo um acontecimento provocado pelo ser humano, é que vai permitir essa tênue possibilidade de cada um lidar com aquilo que ocorreu. Esse não é um trabalho apenas individual, mas também coletivo, pois as formas de enfrentamento envolvem recursos psíquicos, sociais, materiais, de colaboração e muitos outros.

Levando isso em conta, podemos refletir como nós educadores e familiares temos lidado com o que a vida apresenta para nós, sejam os acontecimentos aparentemente distantes, ou mesmo aqueles que nos afetam diretamente, como por exemplo, a perda de um ente querido durante a pandemia de COVID-19 e, além disso, sem poder concretizar os rituais que fazem parte do processo de luto.

É importante também nos questionar: como podemos ser um exemplo e uma inspiração para estimular o engajamento de crianças e jovens em atitudes solidárias, conjuntas e que promovam a superação, uma cultura de paz e a construção de sentidos? Em casa e na escola, podemos praticar ações, tais como:

  • conversar e promover uma abertura para o diálogo. Pode parecer simples, mas o contrário disso, um ambiente de silenciamento ou de invisibilidade não favorece o desenvolvimento do autoconhecimento, da empatia, da colaboração e de outros fatores que ajudam na elaboração do que nos afeta. Por exemplo: apresentar um assunto, fazer perguntas sobre o que cada um pensa ou sente, acolher o que cada um apresenta.
  • contar histórias, ler histórias, inventar histórias. Tudo isso estimula a proximidade, o compartilhamento de ideias, a imaginação, a criatividade, o mundo simbólico.
  • brincar, sozinhos ou em grupo. Sejam brincadeiras de interação, introspecção, de movimento corporal, enfim, o objetivo é ter momentos de bem-estar e leveza sem necessariamente uma finalidade específica, apenas estar junto ou se divertir por um instante.
  • estar ao lado, e não fazer pelos outros. Permitir que cada um se responsabilize, dentro de suas capacidades e possibilidades, estando ao lado, é essencial para a construção da autonomia e da autoconfiança. Por exemplo, não querer aliviar a todo custo sentimentos incômodos que crianças e jovens relatam, mas entender como isso faz parte da vida e como podem ser importantes para nos indicar como estamos.
  • cultivar ações cotidianas que podem fazer alguma diferença. Gestos aparentemente triviais nos lembram de que nossas ações têm consequências e de que podemos fazer algo de positivo. Por exemplo, cozinhar juntos e produzir uma comida ou sobremesa gostosa, cheirosa; tratar as pessoas ao nosso redor com delicadeza e apreço; ajudar alguém.

A cultura da paz, do diálogo, da solidariedade se fortalece no dia a dia, não em uma ação única e isolada. A cultura da paz não se revela apenas diante da violência e do confronto, mas nos acontecimentos cotidianos, muitos dos quais nos convocam a responder: o que posso fazer diante disso? Qual o sentido desses acontecimentos em minha vida? E a cada nova resposta, vamos ensaiando acertos, fracassos e novas tentativas de viver melhor.

Texto: Mariana Gonçalo | Foto: Deposiphotos

Como a Metodologia OPEE ajuda estudantes a desenvolverem um projeto de vida consciente

Existem muitas crenças em torno do que é projeto de vida e de como desenvolvê-lo nas escolas. Por vezes, pode parecer um conjunto de escolhas e planos para guiar os alunos em suas futuras carreiras profissionais.

Mas o projeto de vida vai muito mais além do “o que você quer ser quando crescer?”. É um planejamento para se conquistar objetivos estáveis – mas não imutáveis –, carregados de sentido pessoal e orientados por valores éticos. É embasar a possibilidade de fazer escolhas e suprir a necessidade de construir o próprio sentido para a vida. 

Ou seja, o objetivo não é formar futuros profissionais. É auxiliar esses jovens na construção de si mesmos e de seus sonhos, em todas as áreas da vida. É transformar esses desejos em metas de curto, médio e longo prazo, seguindo valores éticos.

E a Metodologia OPEE inclui também um olhar para a sustentabilidade e o planejamento financeiro, bem como contempla um projeto que pode ser construído em família. Isso porque os laços familiares (não apenas de parentesco) têm um papel fundamental no desenvolvimento das competências socioemocionais, por serem o principal contexto de interações sociais da criança e do jovem.

Então, para superar sentimentos de medo, insegurança e angústia diante do futuro, é importante criarmos ambientes acolhedores e motivadores em casa e na escola. Que sejam humanizados e capazes de inspirar a transformação dessa inquietação em atitudes, e das dúvidas em busca. O projeto de vida é um alicerce para, em vez de temer o futuro, tomá-lo pelas mãos e criar uma vida boa e feliz com protagonismo e autonomia. 

Assim, nossos materiais oferecem inspirações, possibilidades e caminhos práticos para professores, alunos e suas famílias (re)encontrarem o próprio equilíbrio emocional. A olharem com mais gentileza a si mesmos e se empoderarem, para enfrentar e superar momentos delicados da vida pessoal e familiar. A contribuir para a formação integral e integrada de todos, a fim de que ofereçam seu melhor para o bem comum. 

Outro ponto é: como fazer tudo isso em um contexto de transformação digital, crescente tempo de exposição a telas e intensos debates sobre o futuro da educação? A Metodologia OPEE tem mais de 20 anos de experiência e, ao longo desse tempo, vem se adaptando às novas tecnologias, incluindo técnicas para lidar com uso excessivo de celulares, computadores e jogos de videogame. 

Todos esses elementos que tornam nossa vida contemporânea mais complexa precisam ser contemplados e incluídos no processo, para termos um projeto de vida mais consciente e realista. Não podemos escolher nossas dores, mas sim, a maneira como vamos enfrentá-las. E, com nosso otimismo realista, estamos com vocês para sempre fazermos o melhor com o que temos.

Texto: Marcela Braz.

Dia Mundial do Trabalho e seu significado para a ética e a cidadania

O Dia do Trabalho (ou Dia do Trabalhador), firmado internacionalmente em 1º de maio, foi adotado no Brasil em 1895, quase 10 anos após o evento que o inspirou. Depois de anos de pressão sindical, tornou-se feriado em 1925 e até hoje é marcado por atos e comemorações dos sindicatos em todo o país.

O contexto de sua origem é a disseminação da Revolução Industrial pelo continente americano e das precárias condições de trabalho normalizadas naquele tempo. Entre elas, longas e extenuantes jornadas, ambientes insalubres, bem como a ausência de planejamento empresarial, ou legislação para proteger as necessidades dos trabalhadores. Por isso, eles se organizaram em sindicatos e outras formas de representação, assim como criaram estratégias para pressionar os donos das indústrias. 

Nessa linha, houve uma onda de greves gerais nos Estados Unidos no século 19 e, em 1º de maio de 1886, os trabalhadores de Chicago iniciaram uma greve geral que se estendeu por quatro dias. A cidade era o principal centro industrial do país na época, e a mobilização foi duramente reprimida pela polícia, com dezenas de pessoas mortas e seis condenadas à pena de morte.

Anos depois, em 1889, foi oficializado o dia 1º de maio como sendo o do trabalhador, em homenagem aos atos de Chicago. O congresso realizado em Paris pela Segunda Internacional – organização de partidos operários e socialistas de diversos países – iniciou um movimento que conquistou benefícios como a redução da jornada de trabalho para 8 horas, além do direito a férias e ao descanso semanal. 

Embora os eventos de 1º de maio não engajem a população brasileira, que muitas vezes não sabe de sua origem, a data não deixa a história e o nosso dever social serem esquecidos. Isso porque, se hoje podemos descansar aos fins de semana, ou tirar folgas em outros dias, além de desfrutarmos de férias e de jornadas mais justas, é graças às conquistas sociais de quem veio antes de nós. Portanto, se há aspectos da sociedade, em nosso bairro, cidade ou país, que não são considerados bons, cabe a nós participarmos da política das nossas comunidades.

Um dos pilares de se trabalhar o projeto de vida nas escolas e de se adotar a educação socioemocional é a formação ética do aluno como cidadão. Pensando nisso, podemos lembrar que um dos significados de ética é a investigação sobre aquilo que é bom, que tem como objetivo facilitar a realização das pessoas, para que tenham boas vidas no âmbito coletivo.

Assim, faz parte do nosso dever ético investigar maneiras de melhorar nossas vivências e as das outras pessoas. Pensar, discutir e tomar atitudes, mesmo pequenas, para caminharmos em direção a um mundo mais equânime e sustentável. 

Texto: Marcela Braz.

UMA PARCERIA CAMPEÃ EM AVALIAÇÃO SOCIOEMOCIONAL

A FTD Educação, em parceria com o Instituto Ayrton Senna,atuará junto à Metodologia OPEE ao oferecer um instrumento de avaliação socioemocional focado em estudantes do Ensino Fundamental Anos Finais e do Ensino Médio. O instrumento, aplicado por meio da Plataforma Farol, avalia estudantes com base no autorrelato, permitindo o mapeamento do desenvolvimento das competências socioemocionais da turma. O objetivo é ajudar a preparar crianças e jovens a enfrentar os desafios no século 21. 

Com isso, a aplicação do instrumento gera subsídios para que os educadores conheçam aspectos relacionados ao desenvolvimento pessoal dos seus estudantes e explorem a temática de forma dinâmica em sala de aula.

SOBRE O INSTITUTO

O Instituto Ayrton Senna é reconhecido internacionalmente pelo trabalho em prol da Educação brasileira. Com quase 30 anos de atuação, já impactou a vida de mais de 36 milhões de educadores, estudantes e famílias. A missão do Instituto é transformar vidas que transformam o mundo ao criar oportunidades para que cada ser humano reconheça e desenvolva todo o seu potencial.

 

Texto: FTD Educação e Instituto Ayrton Senna.

Como apreciar e cuidar do nosso país

Uau, essa parece ser uma grande tarefa, não? “Cuidar do nosso país”, um território tão vasto que forma o quinto maior do planeta, com uma população de 200 milhões de habitantes, também a quinta maior do mundo. Isso considerando um dia a dia corrido, em que mal cuidamos de todas as áreas da nossa própria vida com o afinco que gostaríamos. 

Mas, pera lá, da mesma forma como a Metodologia OPEE nos ampara com relação a priorizar e encaminhar cada área da nossa vida, podemos também encontrar maneiras simples de exercer nossa cidadania, sem colocar o peso do Brasil nas nossas costas. Até porque somos muitos, não é mesmo? Não é preciso resolver tudo sozinho.

Pensando nisso, podemos retomar a famosa ideia de pensar globalmente e agir localmente. Para ser um cidadão ativo, não é preciso e nem plausível uma única pessoa criar um projeto tão grandioso que resolverá os problemas da nação. Há pequenos hábitos e atitudes que estão ao nosso alcance, que podemos inserir aos poucos no nosso dia a dia.

A começar por como vemos e falamos do país. Uma sugestão inicial é se atentar à cultura de nos depreciarmos e nos considerarmos um dos piores do mundo, como se só aqui existissem certos problemas. Frases como “O Brasil não tem jeito” não são construtivas e nem factíveis.

Está nas nossas mãos cobrar o poder público local e federal do que gostaríamos de ter. Desde denunciar uma obra acontecendo em horários indevidos, que te acorda de madrugada, até escolher com cuidado em quem votar em época de eleições. Em vez de apenas reclamar de como as coisas não são como gostaríamos, podemos nos perguntar: existe algo possível que eu poderia fazer a respeito?

Muitas vezes, pensar dessa forma não foi estimulado na nossa criação e não estamos acostumados a perceber e a usar nosso poder de ação transformadora. Assim, é importante trazer essa mentalidade para crianças e jovens, seja com o envolvimento em um grêmio estudantil, seja participando em família de algum grupo do bairro, que se reúne para discutir os interesses locais e preservar esse espaço.

Para além da política, conhecer o território e sua cultura nos conecta mais profundamente com ele. Visitar pontos turísticos em sua própria cidade pode ser um passeio gostoso de fim de semana e, ao mesmo tempo, um estímulo a conhecer melhor a história do seu município. Depois, quem sabe, fica mais fácil expandir os horizontes para as cidades vizinhas.

Ocupar museus, bibliotecas, parques e centros culturais nos engrandece e nos conecta com as origens e a cultura brasileiras. E isso pode ser um pontapé para exercermos uma cidadania mais consciente. Pois como vamos cuidar de algo que não conhecemos bem, que não ocupamos e vivenciamos? 

Os primeiros passos podem ser mais desafiadores, porque pedem uma mudança de atitude, mas também são os mais simples. Que tal primeiro conhecer e reconhecer o que está posto, para então ter ideias mais fundamentadas sobre como zelar pelo Brasil de uma maneira realista?

Texto: Marcela Braz.

O projeto de vida mais completo para a sua escola

Com a implementação da BNCC nas escolas, muitas unidades de ensino começaram uma corrida desenfreada por incorporar a aprendizagem socioemocional nos currículos, às vezes sem nem entender o que é. 

Antes de tudo, socioemocional não se chama assim por acaso. Com o trabalho sobre a parte emocional, a mais conhecida, há os componentes social, ético e a construção de um projeto de vida. Autoconhecimento, autorregulação, consciência social, habilidades de relacionamento e tomada de decisão responsável são seus pilares.

Assim, um projeto de vida completo começa com o desenvolvimento de uma boa relação do aluno consigo mesmo e com as demais pessoas, para que se torne cada vez mais consciente e seguro. Com autodomínio e autoconhecimento, aí sim ele terá as ferramentas necessárias para fazer uma das escolhas mais importantes de sua vida: a futura profissão.

A Metodologia OPEE também inclui o conhecimento de diversos caminhos profissionais, o funcionamento do mercado de trabalho e o desenvolvimento de uma atitude empreendedora. Junto com os temas da empregabilidade e do empreendedorismo, há a educação financeira voltada ao consumo consciente e a fundamentação das decisões em valores humanos essenciais.

Além disso, com esses elementos primordiais para a formação do ser humano, trazemos outras perspectivas. Nossa nascente é a Logoterapia, linha terapêutica criada pelo psiquiatra austríaco Viktor Frankl, que nos ensina a apreciar a vida, mesmo com seus altos e baixos, e a nos conscientizarmos da responsabilidade de construir nossa própria história. 

Também agregamos à metodologia os saberes da filosofia existencialista do francês Jean-Paul Sartre, segundo a qual nunca estaremos prontos; estamos em eterna construção. Por isso, o projeto de vida não é um plano finito, definido uma única vez. Não há como ele ser sempre o mesmo, porque não somos sempre os mesmos. 

Tudo isso é fruto de mais de 20 anos dedicados a auxiliar crianças e jovens a chegarem à melhor versão de si mesmos, construindo projetos de vida transformadores. E esse case de sucesso chegou à ONU em 2019, para o Simpósio Internacional Formando Lideranças para o Desenvolvimento Futuro.

Trabalhamos muito além do socioemocional. E expandimos esse horizonte ainda mais, para trabalhar a formação do ser humano de maneira integral e integrada. 

Texto: Mariana Gonçalo e Marcela Braz

Metodologia OPEE: em quais bases teóricas a Metodologia OPEE é fundamentada?

Os pressupostos teóricos que embasam a Metodologia OPEE auxiliam o mediador a, por meio da visão de mundo e do enquadre teórico, compreender os pilares que justificam e sustentam as atividades propostas ao longo de toda a Educação Básica com a coleção. Veja abaixo as principais bases teóricas:

 

 

Todos esses saberes se complementam, uma vez que reconhecem a realidade como fruto de uma cocriação entre indivíduos e o meio ambiente. 

O Modelo Cognitivo adotado entende que as relações humanas são construídas de modo sinérgico e interativo: somos todos únicos, mediadores e alunos. A forma como cada um entende a realidade e atribui significado às suas experiências, é singular. E tudo isso deve ser considerado na interação e na construção rumo à realização de sonhos e projetos, integrando o pensar, o sentir e o agir.

A Neurociência, por meio de inúmeros achados recentes, mostra-nos a relevância da plasticidade cerebral, bem como a noção de que somos um todo interligado e em constante circularidade entre os processos de pensar, sentir e agir. Afinal, somos seres biopsicossociais em constante transformação e aprendizado.

A Logoterapia, com sua gama de conhecimentos, demonstra que somos dotados da capacidade de mudar, de transcender as circunstâncias e de aprender com as experiências. Viktor Frankl, criador desta teoria, nos alerta sobre a importância da busca pelo sentido da vida e do projeto de vida como fator de superação, pois sempre temos, por menor que seja, alguma possibilidade de escolha diante das situações que nos são apresentadas.

A capacidade de lidar com as emoções e conviver bem é um pilar essencial, praticado por meio do módulo de autoconhecimento e fundamentado nos conhecimentos da inteligência emocional. Todos queremos conviver bem uns com os outros. Isso não significa que não existam conflitos e divergências, mas sim a possibilidade de aprender com eles e compreender que todos têm direito a ter voz e respeito.

A Psicologia Positiva agrega com seus saberes de como promover uma vida sadia, eficaz e feliz. Com um olhar voltado não àquilo que não funciona ou às doenças, a proposta é compreender como podemos promover saúde e quais fatores de proteção podem ser praticados para viver melhor. 

As Ciências Sociais com certeza ampliam o olhar e nos auxiliam a entender o funcionamento, o desenvolvimento e a organização das sociedades e para onde estamos caminhando. Alinhada à Filosofia Existencialista, propomos que os alunos percebam que seu futuro não está condenado nem garantido, mas é construído diariamente. 

Um dos pontos angulares de nossa metodologia é justamente auxiliar o indivíduo a desenvolver seus projetos de vida, alcançar um bom grau de flexibilidade mental e empoderamento atitudinal para que consiga alcançar a satisfação em seu processo de crescimento pessoal e profissional. Acreditar no futuro é fator de proteção à saúde mental. Afinal, a busca por um sentido e por um propósito é o que nos mantém conectados com nossos projetos e com a atitude para concretizá-los, superando desafios e atravessando dificuldades. 

 

1º ENCONTRO NACIONAL OPEE 2023

O RESGATE DO HUMANO EM UM MUNDO QUE TEM PRESSA E TELAS DEMAIS

Reflexões e caminhos práticos.

A OPEE valoriza e propõe o protagonismo de crianças e jovens, sem desconsiderar entretanto que é importante que tenham orientações e referenciais claros acerca de seu desenvolvimento saudável. Nesse sentido, o encontro irá propor reflexões e caminhos práticos para a saúde física, mental e emocional. Faz-se necessário estar em sintonia com os avanços e transformações do mundo atual, porém, manter o equilíbrio em um contexto de pressa e muitas telas é indispensável. 

Somos convocados a todo tempo estarmos conectados, envolvidos, antenados, seja para atividades recreativas ou acadêmicas, o que muitas vezes pode gerar um esgotamento ou cansaço diante de tantas informações e estímulos que são inviáveis de acompanhar. Isso compromete nossa saúde física (desde a postura corporal ao olhar para as telas, até a privação de sono) e nossa saúde mental e emocional (ao deixarmos de conviver, falta de foco, diminuição da empatia, busca incessante pela felicidade, entre outros).  

Observamos atualmente que estamos com possibilidades cada vez maiores de nos conectarmos uns com os outros, o que não significa que estamos mais próximos ou mais felizes. O convite é pensarmos juntos em alternativas e possibilidades de resgate da essência do que é sermos humanos. 

*Evento exclusivo para escolas parceiras da Metodologia OPEE. Solicite as informações sobre as inscrições com o assessor pedagógico de sua escola.

GAME COMPORTAMENTAL OPEE: Caminhos e Escolhas

 

Olá, educador e educadora,

Nosso post de hoje é sobre jogos! Jogos estimulam que a criança ou o adolescente aprendam regras, bem como compartilhem e desenvolvam a inteligência espacial e a sociabilidade. Por isso, estamos trazendo esse conceito para nosso material de uma forma inovadora e exclusiva para as escolas parceiras OPEE! 

De certa forma, os jogos sempre fizeram parte da Metodologia OPEE e da história da humanidade. As sociedades mais primitivas e as atuais veem neles uma forma de ter uma experiência transformadora, acolhedora, instigante. Podemos usá-los para diferentes finalidades. 

Por isso, vitalizadores, atividades em grupo, dinâmicas e rodas de conversa são velhos conhecidos da nossa metodologia e do nosso DNA há mais de 20 anos. A novidade é ter, além de todos esses recursos, também games comportamentais!

Todos eles abordam as temáticas do autoconhecimento e da empatia de formas específicas para cada faixa etária.

No 6º ano, além deles, o foco é a convivência.  Para os alunos do 7º, é a vez das atitudes sustentáveis na vida e nas finanças. No 8º ano, trabalhamos com as temáticas de bullying e inteligência emocional. Depois, o 9º ano tem acesso ao game que aborda os itinerários formativos e as escolhas profissionais para o futuro.

 

Vale lembrar que nos games comportamentais são trabalhados valores, resolução de problemas e competências e habilidades socioemocionais. Por isso, ele é educativo e construtivo, pois há uma finalidade e um propósito delimitados e que convidam o aluno a fazer escolhas ao longo do percurso, mudando assim a sequência e o desfecho a partir de cada decisão tomada pelo aluno/jogador.

Além disso, utilizamos narrativas da vida real por meio de personagens para aproximar o aluno das temáticas abordadas e das decisões que cada personagem precisa tomar. 

 

 

Oferecemos uma experiência que vai além do “certo” e “errado”: é um jogo de aprendizado continuado. O personagem vai passar por situações, ter escolhas, perceber caminhos, sofrer consequências e será feita uma análise final. Ela ilustra que, se a pessoa seguir por determinado caminho, terá aquele resultado. 

Para os alunos terem a melhor experiência possível, é vital que os educadores joguem o game antes deles e acessem nosso manual, com o passo a passo de como funciona e das possibilidades de aplicação, além das conexões com as competências e habilidades propostas na BNCC. Isso os permite avaliar quando as atividades serão dadas e ter autoria, se colocarem como capitão ou capitã desse navio que será navegado com seus alunos e alunas.

Bom divertimento! 

 

 

 

 

 

 

 

 

Texto: Marcela Braz

Janeiro Branco: A Vida Pede Equilíbrio!

Janeiro! Mês que representa o início de um novo ano, de um novo ciclo e de uma nova jornada. 

Janeiro branco, por sua vez, é um movimento dedicado à temática da Saúde Mental que nos alerta e conscientiza sobre hábitos, práticas, informações e necessidades envolvendo a saúde mental. Em 2023, o tema eleito para celebrar o Janeiro Branco foi A VIDA PEDE EQUILÍBRIO

Algo que muitas vezes parece distante de alguns âmbitos de nossas vidas, mas que nos lembra que, na prática, em boa parte depende de nós alcança-lo. Seja o equilíbrio na alimentação, na prática de exercícios físicos, o equilíbrio entre o trabalho e o lazer, entre a conexão com telas e conexão com pessoas, e muitos outros. O equilíbrio exige uma leitura do contexto em que estamos, das influências que sofremos e de que forma iremos manejar nossas escolhas.

Há períodos em que de fato nossas vidas carecem de equilíbrio em algumas áreas, outras parecem estar em alguma harmonia e, idealmente, buscamos o equilíbrio em todas elas. Quando pensamos na conhecida “roda da vida”, é interessante refletir como está o equilíbrio nas áreas: física/saúde, profissional, financeira, acadêmica, espiritual, social, familiar, emocional. 

Nosso convite é para que você aproveite este início de ano para fazer um balanço de sua vida em todas as áreas, perguntando-se de forma sincera:

  • Quais áreas estão em maior equilíbrio?
  • Quais áreas estão em menor equilíbrio?
  • Qual área eu gostaria de me dedicar a buscar um maior equilíbrio e satisfação?
  • Que atitudes práticas posso adotar ao longo do ano para conquistar essa mudança? 
  • Há algo ou alguém que poderia me auxiliar a alcançar esse equilíbrio?

Honrando o mês de janeiro branco, dedicado à saúde mental, reflita sobre essa área específica de sua vida:

  • Como está meu autoconhecimento: busco me conhecer ou é algo que não dou a devida atenção e importância?
  • Estou feliz com as escolhas que tenho feito? De que forma elas impactam em meu bem-estar?
  • Sei buscar ajuda quando reconheço que não estou bem?
  • Reconheço e valorizo meus sentimentos e minha vida emocional?
  • Quais atividades tenho praticado para me sentir bem comigo mesmo e com os outros com quem convivo? 
  • Que ações posso praticar para me sentir melhor comigo mesmo e com os outros com quem convivo? 

Na coleção de livros da Metodologia OPEE, demonstramos que a saúde mental é uma construção, um conjunto de fatores que impactam nossa vida subjetiva e não algo que é dado por decreto. Isso implica na compreensão de que a vida é uma jornada composta de diferentes fases e momentos, e não uma linha reta sem turbulências. E é justamente nessa caminhada que almejamos o tão importante equilíbrio.

Que neste ano de 2023 possamos busca-lo com mais serenidade e humildade, contando também com as redes de apoio e pessoas significativas, afinal, o equilíbrio é também uma conquista coletiva e não apenas individual. Caminhemos juntos a uma vida mais equilibrada!

 

Texto: Mariana Gonçalo | Foto: Depositphotos