O Repertório Multifocal do Educador

Quando pensamos em repertório, geralmente estabelecemos uma relação com o ato de representar! Fazemos uma interface com o(a) artista devido à sua versatilidade, capacidade multifocal de atuação e reelaboração de pensamento.

Todos exercemos diversos papéis sociais e profissionais e, em tempos líquidos, a necessidade de rápida adaptação é fundamental, daí o diferencial do repertório quanto a temas, assuntos e tendências, inclusive na sala de aula, onde constantemente nos deparamos com situações inesperadas e que exigem que coloquemos em prática a habilidade de tirar “cartas das mangas” e improvisar.

É importante não confundirmos a capacidade de improviso, característica fundamental para educadores, com a “gambiarra”. Afinal, improviso não é ausência de repertório ou planejamento, muito pelo contrário! O ator ou atriz só é capaz de fazê-lo quando tem competências muito bem desenvolvidas. O mesmo se dá com o professor!

No livro Empresas Exponenciais, o autor nos faz um alerta: “cuidado com o especialista”, e o classifica como alguém que explica o porquê algo não deve ser feito, mas não é o agente propositivo. O repertório diverso nos permite dar soluções inovadoras e livres de vícios ou situações limitantes.

No livro Mindset, a autora argumenta de forma parecida ao fazer paralelos entre mentes que se condicionam a modelos fixos e mentes que se permitem explorar o diverso, a expansão e o crescimento.

A BNCC é muito feliz quando normatiza a aplicação das 10 competências gerais de forma transversal e traz à tona a necessidade da prática para que de fato se exercite o repertório de toda a comunidade escolar, pois obriga que todos saiam de suas zonas de conforto e se motive a experenciar, fazendo da educação um laboratório, uma oficina de talentos, que não mais compreende o mundo e o conhecimento em caixinhas fixas e seguras.

Na sociedade 5.0, da qual não somente as máquinas mas a inteligência artificial concorrerão com o ser humano, os postos de trabalhos que existirão serão os que dependem das competências socioemocionais: sensibilidade, empatia, cooperação e demais valores humanos. Nestes tempos, a única certeza que temos é a mudança constante, nos mostrando que a capacidade de improvisar e se reinventar são peças fundamentais para a formação dos educadores do novo século.

A psicologia positiva também nos orienta neste sentido, reafirmando a importância de saber reagir ao inusitado e ao adverso com resiliência!

A Metodologia OPEE possibilita o desenvolvimento integral do indivíduo e o cuidado com o seu Projeto de Vida, fornecendo grande repertório sobre as profissões, tendências, novas tecnologias, inovações e como sermos agentes ativos, empregáveis e dotados de atitudes empreendedoras.

Entendemos portanto que o repertório não está nas respostas, mas nas perguntas que fazemos e nos processos de elaboração das mesmas. Isso nos conduz a muitas reflexões!

-Diante deste novo mundo, novo mercado de trabalho, de tantas evidências e pensamentos, vamos mesmo manter nossa sala de aula aos moldes do século XIX?

– Atualmente nossa mente atua ou mente?

– Nosso repertório nos auxilia a aproximar o discurso da prática?

-Temos abertura para o exercício da escuta ativa em nossas aulas ou seguimos o conteúdo como uma locomotiva?

– Conseguimos exercer o papel de mediador com excelência e compreender que o palco do desenvolvimento é de ambos:  aluno e professor?

– Entendemos que o aluno possui modalidades de aprendizagem que vão além do auditivo e do visual?

– Nos apropriamos de diferentes espaços para as aulas?

– Compreendemos que nem todas as nossas expectativas de aulas serão 100% supridas? Sabemos lidar com as frustrações?

– Mudamos de estratégia quando sentimos que a aula não fluiu de acordo com o esperado?

– Cuidamos bem do nosso Projeto de Vida para cuidar dos Projetos de Vida de outras pessoas?

– Compreendemos que o espaço de desenvolvimento humano não é o lugar de imposição ou verdades absolutas, mas de compreensão 3D de mundo e suas realidades plurais?

– Entendemos que uma mente que se abre para novas ideias não mais regride ao tamanho inicial?

Convido-os à fazerem outras provocações!

Referências:

As 21 Lições para o Século 21, por Yuval Noah Harari

Empresas Exponenciais, por Salim Ismail, Yuri Van Gees, Michael S. Malone

Mind Set, por Carol Dweck

Sociedade 5.0: O que é, Objetivos e Como Funciona <https://fia.com.br/blog/sociedade-5-0/

Trilhando os caminhos do SER

Hoje vamos conhecer o projeto de ação transformadora de uma das escolas finalistas do 1º Prêmio Ações Transformadoras OPEE: O projeto “Trilhando os caminhos do SER” foi desenvolvido pelo Colégio Monsenhor Adelmar da Mota Valença de Garanhuns/PE.

O projeto foi pensado e executado durante 6 meses, com o intuito de ensinar para as crianças a importância de se conhecerem e cultivarem os valores para assim adquirirem o autoconhecimento e aprenderem a lidar com as escolhas que a vida propõe. O projeto mobilizou os alunos e comunidade escolar, podendo estimar 600 pessoas alcançadas. Segundo Layse Cardoso, professora do Colégio:

Estamos percebendo nossos alunos mais empoderados, questionadores, autoconfiantes, e consequentemente cientes para discernir o seu potencial e seu eu-no-mundo. Vejo a OPEE, hoje, como cano de escape para esta sociedade liquida da atualidade!”

Parabéns equipe do Colégio Monsenhor Adelmar da Mota por essa linda ação transformadora!

Espalhe somente o amor

O projeto “Espalhe somente o amor” foi desenvolvido Colégio Pequeno Príncipe de Nova Londrina/PR.

O muro da gentileza foi criado com um preceito simples “Se não precisa, deixe, se precisa, pegue”. A partir do eixo valores humanos da metodologia OPEE, os alunos e professores realizaram a revitalização de um muro do centro da cidade, que antes estava em desuso. Os alunos dirigiram-se ao local, e, juntamente com a professora de arte, realizaram a pintura do muro. Nele foi desenhado um quarto, com guarda roupas e cabides e foram colocados pequenos ganchos, dessa forma, as pessoas da comunidade puderam realizar doação das roupas que não lhe serviam mais, pendurando-as neste quarto imaginário. Ao mesmo tempo, as pessoas que necessitavam destas roupas, puderam selecionar as que lhes eram úteis e retirá-las do muro da gentileza. “Essa ação gerou uma corrente do bem, a cada semana os alunos, professores e comunidade ficaram empolgados com a ideia de ajudar ao próximo de uma forma tão simples quanto esta. O resultado foi tão positivo que até emissoras de televisão vieram filmar este trabalho para divulgação”, destacou a equipe do Colégio.

Parabéns equipe do Colégio Pequeno Príncipe por essa linda ação transformadora!

Brigada Ecológica Arte Livre

O projeto Brigada Ecológica Arte Livre foi o grande vencedor do 1º Prêmio Ações Transformadoras OPEE!

O projeto envolveu mais de 400 pessoas! Além dos alunos e professores, avós, tios e amigos fizeram parte desta linda Ação Transformadora, partindo no mesmo horário, em passeata, entoando gritos de paz, munidas de faixas, cartazes e adereços alusivos, fazendo uma coleta de todo lixo encontrado pelo percurso e distribuindo panfletos em papel reciclado sobre manter a cidade limpa e divulgar que o Colégio Arte Livre é um Ponto de Coleta de Materiais Recicláveis, como: óleo de cozinha usado, pilhas e baterias, cápsulas de café, esponjas usadas de cozinha, resíduos de materiais escolares, lacres de lata de alumínio que são encaminhados para descarte correto, inclusive, para ajuda de entidades beneficentes.

O Poder do Foco na Educação

Convido você a pensar  na sua escola. Todo começo de ano letivo, alavancados pela motivação, estabelecemos como meta projetos incríveis. Acontece que no decorrer do ano alguns destes  projetos não chegam a se concretizar ou então, deixamos para realizá-los uma ou duas semanas antes da data prevista. E, com o passar dos anos, esta prática fica incorporada na cultura de nossas escolas.

Na vida, assim como na educação, um dos nossos maiores desafios é o foco. Daniel Goleman, em seu livro Foco, aborda este tema com maestria, afirmando que para uma vida bem vivida torna-se necessário a atenção para três tipos de foco: foco interno, foco no outro e foco externo. Os três estão em sintonia nos conectando com os valores que norteiam nossas ações. Este mesmo tema, o autor traz em seu novo livro: O Foco Triplo, uma nova abordagem para a educação.

O foco na educação permite que nossas escolas sejam um lugar onde metas transformam-se em realidade. A palavra chave para isso é a ação.  Deixo aqui algumas perguntas que podem ser consideradas na elaboração dos nossos projetos:

– Nos sentimos capazes de colocar este projeto em prática? Ele vai de encontro com os valores de nossa escola?

– Este projeto vem de encontro com a realidade dos nossos alunos? O quanto podemos crescer com a concretização do mesmo?

– Quais são as ações necessárias e como faremos o acompanhamento das etapas deste projeto?

E por fim, vale a pena levar em conta uma dica da psicologia positiva, antes da escolha de um projeto: É interessante? É desafiador? É prazeroso?

Metodologia OPEE presente no “Symposium Internacional 2019 – Formando Lideranças para o Desenvolvimento Sustentável”, na sede da ONU

Se por um lado não temos ainda certeza de como será o mercado de trabalho no futuro, por outro, sabemos que as qualidades mais procuradas em um profissional serão as competências socioemocionais.  Com essas mudanças, a metodologia OPEE vem, cada vez mais, atraindo olhares por ter uma proposta única e integrada para trabalhar dentro e fora da sala de aula, justamente essas habilidades. Mas, nossa metodologia pioneira, que está no mercado há mais de mais de 18 anos, vai muito além, ao desenvolver o potencial dos alunos de Educação Básica, para que possam traçar seus projetos de vida e se tornarem seres humanos conscientes e preparados. Hoje, a OPEE impacta 300 mil alunos e 1.200 escolas de todo o país, com resultados visíveis diários.

Sabemos que hoje ter uma atitude empreendedora é fundamental para o aprendizado ao longo da vida. Trata-se de uma competência que influencia positivamente o processo do ensino, auxilia na busca de objetivos e de propósito de vida. Nossa metodologia abrange todos esses aspectos e tem como diferencial a possibilidade de educadores trabalharem diversos valores em sala de aula, de forma integrada e interdisciplinar. A OPEE conta ainda com uma matriz de serviços que prepara todo o corpo docente para lançar mão da metodologia com assertividade.

Para você, que já é adotante da OPEE, e já viu na prática esses benefícios, temos aqui uma novidade: a metodologia ganhou uma abrangência ainda maior! Ela vai navegar por ondas internacionais! Isso mesmo, o autor da OPEE, Leo Fraiman, estará em Genebra para apresentar este case tão especial. O psicoterapeuta participará do Symposium Internacional 2019 – Formando Lideranças para o Desenvolvimento Sustentável: compartilhando experiências, no dia 6 de setembro, na sede da Organização das Nações Unidas (ONU).

Leo Fraiman fará parte da mesa Propostas de Vanguarda na Educação De Hoje e apresentará a metodologia, abordando ainda como educadores, escola, alunos e família podem construir juntos projetos de vida e desenvolver atitudes empreendedoras. Leo será também o único brasileiro a compor este painel, que conta com especialistas de Portugal (Escola da Ponte) e do Peru (Universidad San Martins de Porres).

Esta é uma notícia muito positiva, que pode ser compartilhada com toda a sua comunidade escolar. Uma oportunidade de ver todos representados nessa empreitada pela busca de uma educação integrada, completa e efetiva.

Para saber mais sobre este importante Symposium, acesse:

https://www.fundacaoam.org.br 
https://faculdadeam.edu.br/

Confira abaixo o vídeo:

 

 

Atitude Empreendedora e a nova Coleção OPEE

Todo momento socioeconômico e histórico influencia diretamente o comportamento humano, isso é fato. Viver num mundo cada vez mais competitivo, desafiador e incerto pressupõe nos prepararmos para desenvolver competências cognitivas, emocionais e sociais, que nos permita gerir a nós mesmos, ter habilidades para lidar com mudanças, aprender coisas novas e preservar nosso equilíbrio diante do inusitado.

É por isso que acreditamos que mais que fundar ou gerir uma empresa, é importante nos referirmos ao Empreendedorismo como uma forma contemporânea de comportamento. Uma atitude empreendedora poderá fazer toda a diferença na vida de crianças e adolescentes, oferecendo-lhes a possibilidade de mais engajamento social, mais consciência planetária e mais abertura para ideias criativas e novas aprendizagens.

A Opee cria possibilidades de abrir estes horizontes às novas gerações, com atividades que promovem e estimulam a autogestão, a autonomia, a proatividade além da iniciativa e tomada de decisões mais assertivas. Os valores humanos estão presentes em todo material gráfico e digital, incentivando o desenvolvimento do caráter e de boas práticas para si, para o outro e para o mundo!

A nova coleção ampliou ainda mais as temáticas que perpassam o desenvolvimento de competências socioemocionais, tais como autoconhecimento, inteligência emocional, empatia, colaboração, cidadania, responsabilidade, respeito, visão ética e muitas outras. A Metodologia reforça ainda mais a importância de aulas que tenham como concepção de aluno um ser integral, ou seja, que precisa se preparar para os desafios da vida por meio de aspectos cognitivos, comportamentais e emocionais. Nesse sentido, as atividades e dinâmicas visam reforçar e ampliar os conceitos e reflexões trazidas ao longo do curso. E mais do que isso, propõe de maneira mais assertiva a participação das famílias nesse processo por meio de um projeto em cada uma das séries, compondo assim, laços mais fortalecidos para a concretização de projetos de vida.

Conheça mais da coleção AQUI

Cooperar: Quando as pessoas ajudam umas às outras, todos saem ganhando!

Dentre os desafios da educação atual está o de estimularmos a coletividade, ensinando os alunos a trabalhar para si, com e para alguém. É importante percebermos essa prática como uma virtude indispensável para construirmos um futuro cada vez mais justo. Essa responsabilidade passa por nós, mas alcança muito além de nós.

O filósofo e sociólogo Edgar Morin, no livro O Sete Saberes Necessários à Educação do futuro, aponta a importância de educarmos para a complexidade, e ser complexo é ser tecido junto, fazendo parte de um mesmo organismo chamado vida.

Sendo assim, é primordial que formemos os nossos alunos para a cooperação, principalmente num mundo onde a tecnologia ocupa espaços cada vez maiores, demandando que o senso de coletivo seja revisto e aprimorado.

Se somos todos uma rede, falar de alteridade é fundamental, pois é a partir da visão de que existe o outro e da compreensão de que estamos todos unidos em nossa humanidade que poderemos nos conectar em favor de causas comuns e equânimes.

Estudos apontam que o cérebro humano sente satisfação em ajudar, proporcionando níveis de satisfação e felicidade mais elevados. [1]

Ou seja, fomos programados para essa vida complexa, precisamos do outro e temos satisfação em trabalhar em conjunto. Exatamente por isso a OPEE tem como propósito que a escola seja este espaço plural de ideias e de cooperação, mostrando aos alunos a importância de nos apoiarmos e unirmos forças para alcançarmos objetivos cada vez mais NOBRES.

“Sozinho vou mais rápido. Juntos vamos mais longe.”

[1] Post, S. G. (2005). Altruism, Happiness, and Health: It’s Good to Be Good. International Journal of Behavioral Medicine, 12(2), 66-77.

 

Participação da Opee Educação no CAFÉ PEDAGÓGICO: Práticas inovadoras para uma educação 4.0

No último dia 4 de junho, Vanderlene Marafão,  especialista em Opee(Orientação Profissional, Empregabilidade e Empreendedorismo) participou em Curitiba do CAFÉ PEDAGÓGICO: Práticas inovadoras para uma educação 4.0 abordando o tema: Empreendedorismo como componente da Educação Inovadora.

O Café Pedagógico é um espaço para inspirar o trabalho de educadores, instituições educacionais e afins por meio do pensamento disruptivo, ressignificando os currículos educacionais diante do cenário de constantes mudanças tecnológicas e sociais.

Foi uma noite transformadora com conferências e debates para fortalecer as redes de instituições e sujeitos que trabalham com processos educativos.