Contato

+55 11 5071.0454

opee@opee.com.br

Endereço

Rua das Rosas, 172 - Mirandópolis, São Paulo/SP

Escola parceira da OPEE leva alunos ao Jequitinhonha

A desigualdade social é um dos problemas históricos do Brasil e a educação tem tudo a ver com o tema, porque na formação de pessoas capazes de construir um país mais justo está a esperança de dias melhores. E há projetos inspiradores nesse sentido, um dos quais conhecemos de perto. Trata-se Projeto Jequitinhonha, uma ação encampada pelo colégio John Kennedy, de Pirassununga, interior de São Paulo, que coloca os alunos diretamente em contato com uma das regiões mais pobres do Brasil (o Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais), fomentando não apenas a conscientização sobre a desigualdade como ações concretas para enfrentá-la.

O Projeto Jequitinhonha foi implantado em 1999 por inspiração do padre Humberto Capobianco, diretor geral do colégio. Ele entrou em contato com o pároco Fernando Ruaro, da região do Jequitinhonha, oferecendo a participação em ações sociais focando alimentação e alojamento. No ano 2000, os alunos aceitaram o desafio e rumaram para o Vale com a intenção de ajudar famílias carentes. Desde então, só cresceu. Em 2014, o trabalho chegou a atender 3 mil moradores do Jequitinhonha em atividades desenvolvidas em 12 comunidades, com perspectiva de mais crescimento para anos seguintes.

O processo tem início na formação de 70 a 80 alunos do John Kennedy mais 20 adultos que os acompanham, dos quais são selecionados 26 alunos e 16 adultos para a ação prática. A ideia não é ser assistencialista, mas atuar no sentido da orientação e instrução em áreas como saúde da mulher e do homem, educação ambiental, educação doméstica, intercâmbio com jovens, higiene básica e bucal.  Enquanto trabalham na conscientização sobre esses temas, os alunos também aprendem com a cultura local e criam laços com uma realidade que muitas vezes desconheciam.

Os resultados de 2014 são expressivos considerando que quem os coloca em prática é um número de alunos que não daria mais que uma turma na escola. Foram 1.197 crianças de 3 a 7 anos atendidas em atividades lúdicas, educativas e de higiene básica, processo em que recebem também creme dental, escova e sabonete para atividades práticas; 325 mulheres participantes de encontros sobre saúde, que abordou temas como prevenção do câncer de colo de útero, câncer de mama, diabetes, hipertensão e depressão; e 460 jovens orientados quanto à prevenção de DST (Doenças Sexualmente Transmitidas).

Além desses resultados práticos, há outros importantes que ficam para a vida toda, como a experiência única ao aluno de conviver, ainda que por poucos dias, com uma cultura diferente e aprender com ela. Aos moradores do Vale, há transformações em seus hábitos que se comprovam nas visitas feitas em anos seguintes. “Os jovens se colocam a serviço daqueles que mais necessitam”, relata Wilson Saulino, professor do colégio, que adota a Metodologia OPEE, e um dos coordenadores do projeto. Saulino também ministra aulas de OPEE para alunos mais novos, do Fundamental I, e mostra a eles os resultados do projeto como exemplos práticos dos valores que são trabalhados na coleção OPEE.

 

O Projeto Jequitinhonha revela uma das mais nobres ações da humanidade, seja no campo pessoal como no profissional: servir por um mundo melhor.

 

“Você acorda e começa a enxergar o mundo como ele é”

“O mundo não muda sozinho, cada pequeno ato já é importante”. São palavras de Isadora Travagin, uma ex-aluna do colégio John Kennedy que participou do Projeto Jequitinhonha. Ela conta que cresceu com a experiência e se considera, hoje, um ser humano melhor. “Aprendi a parar de reclamar à toa. Lá, a gente dorme no chão, tem horário para comer e comida certa: se for macarrão e a pessoa não gostar de macarrão, não vai ter outra coisa. A gente vê a pobreza de perto, mas também vê uma enorme riqueza cultural e afetiva, que nos ensina. E lá as pessoas não segregam, como aqui. Pobre brinca com rico, mora do lado”, relata.

Isadora, que hoje está na universidade, em São Paulo, conta que a participação no Projeto Jequitinhonha a ajudou a entender melhor o que é cooperação. “O grupo tinha de colaborar, dividir, não podia atrasar e a gente tinha de pensar em tudo como equipe. Quando voltei, passei a observar mais os atos alheios e me incomodar com desperdícios e com falta de educação com os outros. Quando a gente está presa no nosso mundinho, tudo é cômodo”, ela conta.

A jovem diz que a experiência será levada por toda sua vida, tanto no aspecto pessoal quanto profissional. “Antes do projeto, eu não tinha o costume de visitar áreas mais pobres ou fazer algo que visa a sociedade, e hoje eu tenho. E aí, quando você sai da rotina para ver e viver com outras pessoas em outra realidade, você acorda e começa a enxergar o mundo como ele realmente é”. Isadora diz que, a partir dessa experiência, será uma profissional com foco na construção de um mundo melhor e não apenas em vitórias individuais.